Informações sobre incontinência urinária masculina

A perda do controle da bexiga é a condição chamada de Incontinência Urinária, isto é a perda involuntária da urina. De acordo com estimativas atuais, mais de 7% (sete) por cento da população brasileira sofrem de perda de urina.

No entanto, acredita-se que o total de pessoas afetadas seja ainda maior do que o mostrado pelas pesquisas, pois são muitos os portadores deste problema que acabam negando o padecimento deste sintoma. São milhões de pessoas, no Brasil e no mundo, atingidas por um problema que, em geral, interfere significativamente na qualidade de vida. (Fonte SBU)

Diferentes doenças podem causar os sintomas da incontinência urinária. Algumas delas são transitórias e facilmente tratáveis, como infecções urinárias, efeitos colaterais de medicamentos e constipação intestinal, outras não. Uma vez que a incontinência urinária é um sintoma, é importante que haja uma conscientização por parte do paciente para que lhe informe ao seu médico. Por enquanto esta conscientização é uma utopia, o pré-conceito do homem é muito maior do que a busca por uma solução confortável e segura e que lhe traga de volta a dignidade perdida como o aparecimento da incontinência urinária. O Homem prefere sofrer calado!

 

A verdade sobre “A Incontinência Urinária Masculina”.

Homens com incontinência urinária acabam-se sentindo envergonhados e sozinhos. Acabam permitindo que este sintoma interfira na suas atividades do dia a dia prejudicando a sua qualidade de vida, pois para a maioria dos pacientes, a incontinência não é só um problema médico que afeta o seu bem estar emocional, psicológico e social, é também uma situação traumática e vexatória, que afeta de forma dramática a sua qualidade de vida, limitando suas atividades sociais, seus exercícios físicos e a sua vida sexual. Muitos homens chegam ao absurdo de deixar de realizar as atividades cotidianas que possam afastá-los do banheiro por algum tempo e acabam por viver em depressão!

De maneira geral o homem acredita que a incontinência urinária é uma conseqüência natural do envelhecimento, por esta razão, tende a não procurar ajuda. Por outro lado, as pessoas mais jovens pensam que isto é um problema de gente idosa e sentem-se envergonhadas, deixando também de falar com seu médico.

Outro aspecto de muita relevância é a insegurança que a incontinência urinária trás consigo já que o grau da perda urinária varia de parcial a total, além do que, as pessoas podem ter perdas urinárias em quantidades variadas e em intensidade diferentes variando com o tempo. Em média o homem adulto produz 60 ml de urina por hora, o que após o período de 4 horas totaliza 240 ml, de incontinência continua ou severa, portanto um absorvente que retém mais de 180 ml de urina como o Dryman poder ser usado por no mínimo 3 horas continuas em caso de incontinência severa de 4 a 6 horas em caso de incontinência moderada e pelo período de 8 a 12 horas no caso de incontinência leve e de esforço.

A Incontinência Urinária pode ter várias causas. As principais:

  • Problemas com a Próstata – HPB e Câncer
  • Diabetes
  • Efeitos Colaterais remédios para hipertensão
  • Outras doenças

 

Próstata

As doenças da próstata, o HPB e o Câncer, e os tratamentos usados para sua cura são causas mais freqüentes da incontinência urinária em homens.

 

1 – Hiperplasia Benigna de Próstata – HPB

A Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP) é o crescimento benigno da glândula prostática, uma das doenças mais comuns que afeta o homem à partir dos 50 anos de idade. O crescimento da próstata pode comprimir a uretra e obstruir a passagem de urina.

A Hiperplasia de Próstata é muito freqüente.

Aproximadamente 50% dos indivíduos do sexo masculino com 65 anos apresentam queixas decorrentes da obstrução prostática, e 15% destes precisam ser submetidos à cirurgia. Esse número passa para 80% aos 80 anos de idade, demonstrando que se trata de uma afecção peculiar ao homem idoso.

Quais são os sintomas da Hiperplasia Benigna de Próstata?

Dos vários aspectos da incontinência urinária no HPB encontramos:

  • Os sintomas de esvaziamento que incluem a qualidade do jato urinário, hesitação, esforço miccional, sensação de esvaziamento incompleto, gotejamento terminal com perda urinária sem a sua percepção e até mesmo retenção urinária completa.
  • Os sintomas ligados ao armazenamento: aumento do número das micções durante o dia e à noite e a urgência miccional, imperiosa na maioria das vezes ocasionando perdas involuntárias de urina.

No tratamento cirúrgico do HPB a incontinência ocorre na retirada da sonda uretral e é na maioria das vezes temporária, apenas aqueles pacientes que sofrem de algum problema primário da bexiga ou de enfraquecimento do esfíncter da uretra se tornam incontinentes definitivos

 

2 – Câncer

O câncer de próstata acontece quando células malignas proliferam pela glândula prostática. Ainda não são totalmente conhecidos os fatores que levam ao aparecimento da doença, mas já se sabe que a idade e predisposição familiar influenciam bastante.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer, nos últimos dez anos, a incidência de câncer de próstata aumentou 35% (trinta e cinco) entre os homens com mais de 50 anos, transformando a doença num verdadeiro problema de saúde pública. Nos Estados Unidos, por exemplo, a realidade é igualmente alarmante: trata-se da segunda maior causa de morte por câncer.

Porém, um fator permeia o assunto de otimismo. Quando a doença é detectada precocemente há uma chance elevada de cura.

Como detectar o câncer de próstata?

Os urologistas utilizam dois exames para detectar o problema: o toque retal e a dosagem PSA, procedimentos que devem ser realizados freqüentemente pelos homens. O toque retal é um exame simples, feito no próprio consultório, porém o que vem ocorrendo, é que muitos homens adiam a visita ao urologista e até mesmo se recusam a ir, por preconceito, a submeter-se ao exame de toque retal. Eles esquecem que é por meio dele,que o especialista analisa o tamanho e a textura da próstata. Já o PSA, chamado antígeno prostático específico, é uma substância produzida pela próstata. Medir sua fração é outra maneira de investigar se o paciente tem ou não algum problema.

Tratamento

O câncer da próstata na maioria dos casos é tratado com cirurgia. Na retirada do tumor a limpeza na região acaba ocasionando a fraqueza do músculo esfincteriano que envolve a uretra, o que conseqüentemente ocasionará a incontinência urinária definitiva. O grau de incontinência varia para cada paciente. Na maioria dos casos, a continência vai melhorando progressivamente durante o primeiro ano, mas apenas um pequeno grupo terá cura total.

Incidência

No Brasil, para o ano 2015, o câncer de próstata continuará tendo a segunda taxa mais elevada tanto de mortalidade quanto de incidência entre as neoplasias malignas masculinas, superado apenas pelo câncer de pele não melanoma, nos casos incidentes, e pelo câncer de pulmão, nos óbitos.

A incidência do câncer de próstata vem crescendo rapidamente, o que pode, em parte, ser atribuído à introdução de modalidades diagnósticas como a utilização do teste do Antígeno Prostático Específico (PSA, sigla em Inglês) e ao aumento da expectativa de vida da população. As causas ainda permanecem desconhecidas, porém vários estudos mostram que homens com história familiar de câncer de próstata têm o risco aumentado – sem estar claro se por fatores genéticos ou ambientais. Alguns estudos sugerem que dieta rica em gorduras e carne vermelha aumentaria o risco de desenvolver o câncer de próstata, enquanto a ingesta de frutas e vegetais e exercício físico regular oferece alguma proteção. (INCA)

 

3 – Diabetes

O que é diabetes?

O Diabetes Mellitus é um conjunto heterogêneo de doenças, com manifestações diversas, onde o denominador comum é o aumento da glicose, um açúcar circulante sanguíneo.

Quais são os sintomas do diabetes?

Os mais comuns são: sede excessiva, excesso de urina, muita fome, cansaço e emagrecimento.

A Incontinência no Diabético

O excesso de urina acaba provocando a urgência miccional o que provoca o escape de urina se não for imediatamente ao banheiro, podendo também em outras ocasiões perder a urina sem perceber.

 

4 – Outras doenças

– Doenças que afetam os nervos ou músculos, entre outras.

Outras doenças podem provocar também a incontinência duradoura ou permanente, entre elas destacam-se doenças como a bexiga hiper-ativa, fraqueza dos músculos que sustentam a bexiga (bexiga caída e incontinência urinária de esforço), fraqueza do músculo esfincteriano que envolve a uretra, defeitos de nascimento, doenças e lesões da medula, cirurgias sobre a bexiga, doenças que afetam os nervos ou músculos (derrame cerebral, esclerose múltipla, poliomielite, distrofia muscular, etc). Em alguns pacientes mais de uma causa podem estar presentes.

– Efeitos Colaterais: muitos remédios, principalmente aqueles utilizados no controle da hipertensão, por terem efeito diurético, acabam causando incontinência urinária.

 

Níveis de Incontinência Urinária

Classifica-se a incontinência pelos sintomas ou pelas circunstâncias que ocorrem no momento da perda de urina.

Incontinência de esforço pode ser devida à fraqueza dos músculos pélvicos que dão suporte à bexiga ou à fraqueza ou lesão do esfíncter uretral. Nesta circunstância pode ocorrer vazamento de urina quando você faz qualquer atividade que força o abdômen, como tossir, espirrar, dar risada, carregar peso ou até mesmo andar.

Alguns pacientes vãos com muita freqüência ao banheiro, para manter a bexiga sempre vazia e diminuir a chance de acidentes. Muitas evitam exercícios físicos com o mesmo objetivo. A maioria permanece seca à noite, mas podem molhar-se ao levantarem para ir ao banheiro. A incontinência de esforço quando ocorre em homens é geralmente causada por cirurgias ou traumatismos da próstata e uretra.

Sintomas:

  • Perder urinar ao tossir, espirrar ou dar risadas;
  • Ir ao banheiro mais freqüentemente para evitar acidentes;
  • Dormir toda a noite mas perder urina ao se levantar da cama;
  • Às vezes perder urina ao se levantar de uma cadeira;
  • Evitar exercícios porque tem receio de perder urina.

Urge-incontinência resulta quando a bexiga contrai-se sem a sua vontade e por isso também recebe o nome de bexiga hiperativa. Você pode ter a sensação de que precisa correr para o banheiro mas muitas vezes não consegue chegar a tempo de evitar o escape de urina. Por vezes pode perder urina sem que haja nenhum sinal antes. Alguns pacientes vão ao banheiro em intervalos muito curtos e acordam várias vezes durante o sono para esvaziar a bexiga.

A bexiga pode tornar-se hiper ativa devido a uma infecção que inflama a sua superfície interna. Os nervos que normalmente controlam a bexiga também podem ser responsáveis pela hiper atividade vesical.

Pacientes com doenças neurológicas freqüentemente apresentam incontinência urinária como resultado da perda do controle normal sobre os nervos da bexiga. Em muitos casos, entretanto, a causa pode ser indeterminada.

Sintomas:

  • Perder urina se não for imediatamente ao banheiro ao sentir vontade;
  • Se levantar muitas vezes à noite para urinar;
  • Fazer xixi na cama;
  • Ter que ir ao banheiro, pelo menos, cada duas horas;
  • Sentir desejo de urinar desproporcional ao volume ingerido de café, chá, álcool e refrigerantes.

Incontinência mista corresponde à combinação dos dois tipos de incontinência descritos acima (de esforço e urge-incontinência).

Incontinência urinária e distúrbios da micção após cirurgias. Pacientes com incontinência urinária e outros distúrbios da micção que procuram um urologista para tratamento freqüentemente já foram submetidas a algum tipo de cirurgia pélvica. Na maior parte das vezes estas cirurgias prévias não têm qualquer relação com os sintomas atuais. Por vezes, entretanto, estas cirurgias podem contribuir para os sintomas atuais e até mesmo serem responsáveis por eles. Assim, cirurgias para retirada de tumores podem afetar a integridade dos nervos que vão para a bexiga e propiciar um distúrbio no controle voluntário da mesma. Outras cirurgias podem afetar a integridade do esfíncter uretral, enfraquecendo-o e facilitando a perda de urina. Na maioria dos casos, a incontinência urinária pós-cirurgia prostática é temporária e auto limitada. Nos casos que não melhoram espontaneamente há várias modalidades de tratamento, dependendo das características e da gravidade de cada caso.

A radioterapia pélvica pode também exercer efeitos semelhantes sobre a bexiga e o esfíncter até anos após a sua realização. Cirurgias para correção de incontinência urinária também podem agravar os sintomas de algumas pacientes. Isso pode ocorrer com piora da intensidade das perdas ou com o aparecimento de dificuldade para urinar após a cirurgia.

Incontinência por transbordamento ocorre quando a bexiga fica tão cheia que chega a transbordar. Pode ser causada pelo enfraquecimento do músculo da bexiga ou pela obstrução à saída de urina. O aumento da próstata pode resultar nesta obstrução. Por esta razão, este tipo de incontinência é mais freqüente em homens. Enfraquecimento do músculo da bexiga pode ocorrer tanto em homens como em mulheres, mas ocorre principalmente em pacientes com diabetes, etilistas crônicos e alguns tipos de distúrbios neurológicos.

Sintomas:

  • Sentir urgência para urinar mas algumas vezes não conseguem;
  • Levantar freqüentemente à noite para urinar;
  • Perder gotas de urina todo o tempo;
  • Ter a sensação de não esvaziar completamente a bexiga;
  • Urinar lentamente, demorando bastante e ter o jato urinário fraco.

Incontinência ambiental ou funcional ocorre quando a pessoa não consegue chegar ao banheiro quando precisa. Nestes casos, embora o sistema urinário funcione bem, limitações físicas, mentais ou outras circunstâncias impedem que a pessoa utilize normalmente o banheiro.

You may also like

Leave a comment